Crítica | Havenhurst

Havenhurst (2017)

1 73

Havenhurst crítica

O maior problema de uma boa idéia é quando o seu autor passa a acreditar que só a boa ideia basta.

Em Havenhurst Julie Benz é Jackie, uma mulher com um passado trágico que acaba de sair da reabilitação por causa de seu problema de alcoolismo. Ela tenta em vão entrar em contato com sua amiga Danielle, (Danielle Harris), que aparentemente desapareceu, sem deixar vestígios.

Jackie então se muda para o mesmo apartamento de Danielle no edifício Havenhurst, um lugar controlado pela sempre simpática e tranquila síndica/senhoria Eleanor Mudgett, vivida por Fionulla Flanagan, que recebe recém-reabilitados impondo-lhes uma única condição. Que se mantenham no caminho da correção, caso contrário serão despejados de seus apartamentos.

Porém não demora muito para que Jackie comece a vivênciar experiências estranhas no edifício e ouvir barulhos por entre as paredes de seu apartamento. Nesse ínterim, ela conhece a pequena Sarah (Belle Shouse), filha adotiva de um casal de vizinhos briguentos e as duas começam a encontrar não só as pistas do destino de Danielle, mas também as provas de que no Havenhurst nem tudo é o que parece.

Não há como negar que a ideia por traz de Havenhurst é muito boa. Na verdade seriados já foram concebidos partindo de princípios muito similares e, inclusive, é até possível imaginar essa história ganhando a televisão. Porém o enredo aqui se contenta em entregar mais da mesma temática do assassino atrás da parede, sem tentar explorar as inúmeras possibilidades permitidas pelo cenário, que diga-se de passagem é o responsável por todo o clima do filme.

Os tons escuros e acizentados das paredes do Havenhurst, aliados a parca iluminação cálida semelhante à luz de velas, reconstrói perfeitamente toda a atmosfera de um filme clássico de casa assombrada. O lugar é tão majestoso que é praticamente impossível não se perguntar sobre como pobres coitados conseguem um lugar como este para recomeçar sua vida, enquanto só encontram trabalhos de baixa remuneração, como no caso de Jackie, que vai trabalhar de garçonete.

Conforme vamos conhecendo o Havenhurst mais vamos querendo saber sobre ele, porém o filme perde a oportunidade de extrair mais desse ambiente e entrega logo de cara o que de fato acontece ali dentro, assim como também não consegue explorar a estrutura do edifício, as personas de seus moradores e nem as situações ali vividas de uma forma que torne o filme em algo minimamente interessante, como Boneco do Mal e – porque não – O Segredo da Cabana.

O elenco é razoável com Julie Benz entregando uma atuação convincente dentro do que lhe foi permitido pelo roteiro que, por exemplo, apenas dá uma pincelada em seu passado complicado. As queridinhas do gênero Danielle Harris e Jéssica Blanc fazem apenas pequenas participações, mas dão conta do recado já que não tem muito o que apresentar. Fionulla Flanagan reflete uma tranquilidade mórbida como Eleanor Mudgett, porém seu tom jocoso e suas falas cheias de chavões deixam a personagem oscilando entre o sinistro e o ridículo. Entretanto os mais sacrificados pelo roteiro são Josh Stamberg – o amigo de Jackie e detetive de polícia Tim – que aqui é literalmente feito de bobo e a pequena Belle Shouse que não passa de um mero cliché.

Por outro lado, Havenhurst compensa o roteiro raso com cenas de ação, um ritmo ágil e algum gore que, sendo bem franco, não tem a menor utilidade para a trama e claramente foi colocado aqui com o único intuito de cumprir tabela.

Havenhurst acaba se tornando um filme insosso, com personagens subdesenvolvidos e um cenário mal explorado. Mas por outro lado é ágil e a trama tem o suficiente para prender atenção sem se tornar enfadonha. Cumpre seu papel como passatempo e nada além disso. Apenas mais um filme para ver, esquecer e passar para o próximo.

5
Passa o Tempo

Cumpre seu papel como passatempo e nada além disso. Apenas mais um filme para ver, esquecer e passar para o próximo.

  • Nota Geral 5

Você também pode se interessar Mais do autor

  • Até que gostei mas..com toda a certeza deveriam pensar num 2º..senão fica sem nexo nenhum -_-