O melhor dos gêneros de horror, suspense, ficção e fantasia

Porque Para Tudo Deve Haver Um Fim…

7 135

Pois é galera, vocês devem ter reparado que desde a última segunda-feira, dia 7 de Setembro, não tivemos atualizações no site e o motivo disso é que, sendo curto e grosso, pra mim já deu e aqui vai meu desabafo.

Foram quase três anos me dedicando praticamente sozinho a trazer o máximo possível de informações ao público do gênero. Os planos eram muitos e, embora em pouco tempo tenha se tornado o segundo maior site de gênero do Brasil, é uma pena ver que atualmente o Terrorama.net não chega a ser nem 10% do que eu pretendia para ele. Muitas ideias ficaram pelo caminho e outras tantas não saíram do papel por pura falta de tempo e de estrutura para fazê-las acontecer. Não faltou esforço, mas chega um momento em que uma pessoa se pergunta o porquê de continuar a executar um trabalho não remunerado que (recentemente) lhe traz mais aborrecimento do que satisfação e, infelizmente, este momento chegou para mim. Portanto, por motivos de: “falta de saco para levar o site” o Terrorama.net está encerrando as suas atividades.

Ao meu ver a perspectiva para o gênero não é boa e, infelizmente, não tenho mais meus 20 anos para me dar ao luxo de insistir em uma empreitada que, de onde vejo, não vai mudar nada. Além disso tenho família e o tempo do qual abdico com ela para fazer o site tem pesado bastante.

Ainda assim, fico feliz de ver o quanto o Terrorama cresceu, mas tristemente ele chegou a um ponto no qual é praticamente impossível continuar crescendo sem um maior investimento financeiro da minha parte. Vocês devem ter notado que recentemente o site tem saído do ar com frequência e isso se deve ao grande número de acessos. Entretanto, para sanar este problema é preciso um outro tipo de hospedagem e é claro que isso envolve mais custos, que, sem a ajuda de anunciantes ou de investidores, ficam pesados demais para mim neste momento.

De qualquer forma me sinto saturado e a vontade de escrever vem diminuindo a cada dia. Nem mesmo as resenhas tenho tido ânimo para fazer. O mercado está muito ruim e até o próprio Google tem feito um esforço hercúleo para bloquear o nosso tipo de conteúdo (não só em nosso site). Pensei em fazer vídeos, mas o trabalho exigido é muito grande para publicá-lo e no fim vê-lo ser monetizado a favor do estúdio por causa de uma uma imagem ou de uma cena. Por sua vez os estúdios oferecem mais do mesmo a cada instante com histórias extremamente repetitivas. Sem falar nos inúmeros reboots e remakes de coisas que as vezes vimos há 5 anos atrás, feitas unicamente para arrancar alguns trocados do que eu chamo de “público comic con“. Uma galera paga-pau, caroneira de hype, metida a entendedora de tudo (leia-se: replicadora de opinião alheia), que parece se proliferar aos borbotões através das redes sociais e que, para piorar, parece estar super feliz da vida com isso.

Consequentemente os filmes tem ficado cada vez mais difíceis de assistir de tão fracos e, como os que me conhecem já sabem, não está em mim ficar elogiando porcarias para satisfazer o status quo. Antes de mais nada é preciso entender que, infelizmente, por causa da minha faixa etária, eu não faço mais parte do público alvo ao qual os filmes de hoje se destinam. Então esta decisão de parar por aqui também tem um pouco a ver como o fato de que, caso continuasse, muito em breve eu seria conhecido como o cara chato que reclama de tudo. E acho que não é por aí.

Em contrapartida as distribuidoras agem com um amadorismo frustrante e mesmo que muitos de seus furos não sejam culpa delas (e não são) eu duvido muito que algumas delas chegarão ao final desta década se não se adequarem urgentemente ao mundo digital. Quanto ao público… Bem, me desculpem a sinceridade, mas o público também não tem ajudado em nada. Vocês não podem imaginar como é extremamente brochante para um verdadeiro amante do gênero como eu, apresentar um filme independente e ver a matéria ganhar 2 likes no Facebook, enquanto uma piadinha cretina publicada logo à seguir ganha centenas de likes e de compartilhamentos. Pior ainda é, alguns dias depois, pessoas virem me perguntar se já ouvi falar sobre o tal filme (aquele que ninguém deu atenção) e descobrir que ele caiu no hype. Isso me faz me perguntar pra que tipo de pessoas estou fazendo isso. Mas não é culpa de vocês. Nós que estamos envolvidos diretamente com o gênero é que as vezes nos esquecemos que tudo o que a maioria do público quer é um “terrôrzinho bom pra zoar com os amigos”. Como disse um amigo meu, se eu fosse fazer um site para quem realmente entende de filmes de terror no Brasil, faria um site para umas quinhentas pessoas, no máximo! É triste, mas é verdade. Uma prova disso está no fato de que 99% do público até hoje não sabe o que é um filme trash. Nem os supostos “formadores de opinião” sabem!

Mas tudo isso seria contornável se não fossem os idiotas, fanfarrões de plantão da Internet, que insistentemente davam as caras, especialmente pelo Facebook, com a crença de que estamos aqui apenas como meros serviçais da sua arrogância. Isso não tem nada a ver com divergência de opiniões e sim com falta de educação. Como alguns de vocês sabem, meu objetivo nunca foi ser uma celebridade da Internet, mas sim divulgar este gênero que admiro e acompanho há mais de 30 anos. Faço (ou fazia) por que eu gosto. Mas, minha paciência estava no limite e aturar esse tipo de pessoa ficou muito difícil para mim nos últimos meses.

Durante esse período procurei respeitar a opinião de todos, lidando com a ignorância e com a falta de educação alheia da melhor forma possível e – embora tenha plena consciência de que muitas vezes não tenha optado pelo melhor caminho – como não me acho obrigado a aturar esse tipo de gente, este acabou sendo um dos principais fatores que pesam nessa minha decisão. Vivemos em uma época preocupante – que pessoalmente chamo de “geração block” – onde o “anonimato” propiciado pela vida online permite que uma pessoa venha aqui dizendo o que quer, te trate com falta de educação, estupidez e que se dane. Se você não concorda ou responde leva o “block”. Há! Como se a vida aqui fora tivesse block! Mas como eu gosto de dizer, é muito fácil pagar de fodão por trás de um teclado! Mas esse é outro assunto e, embora pudesse me aprofundar nessa questão, seria muita prepotência minha acreditar que tenho o direito de educar alguém. Porém nessas horas não consigo deixar de me lembrar de uma frase que me marcou muito: “A ignorância sempre supera a sabedoria. É impossível ministrar sabedoria a um tolo que se orgulha da própria ignorância.” E nesse caso aqui, mais uma vez a ignorância venceu. Meus parabéns.

Por outro lado também conheci muitas pessoas legais (vocês sabem quem são) e a elas deixo aqui todo meu apreço, assim como um pedido de desculpas por deixá-los na mão dessa maneira. Acreditem, se houve um motivo para eu não ter tomado essa decisão antes foi por causa de vocês.

Dito isso, a partir de agora estou deixando de forma oficial o site, o Twitter e o Tumblr do Terrorama e, consequentemente, estes não serão mais atualizados. Porém, tanto o Facebook quanto o Instagram provavelmente ainda poderão ser atualizados pelo Flaubert e pelo Daniel, mas a frequência das publicações dependerá única e exclusivamente da vontade e da disponibilidade de tempo de ambos.

Agradeço a todos que permanceram comigo ao longo desses três anos, certo de que existem outros sites tão bons quanto, ou até mesmo melhores do que o Terrorama, pelos quais vocês poderão acompanhar as novidades do gênero. Ficarei na torcida para que os próximos anos nos tragam bons filmes de terror.

Adeus.

Viktor Von Terrorama

  • Tarline

    Tenho que confessar que eu não frequentava o site sempre (a vida anda muito corrida), mas eu confesso também que quando eu queria assistir algum filme de terror a primeira coisa que eu pensava era: “vou entrar no terrorama e escolher algum filme pra assistir”. Pra mim esse era o melhor site do gênero, vim aqui procurar sobre um filme para mandar para meu amigo e vi essa postagem, e é uma pena. Muito triste Viktor, o site vai fazer falta demais.

  • Ana Paula

    Triste que o site está chegando ao fim. Gosto muito de suas resenhas e artigos. Vou sentir falta.

  • Jorge Granner

    Viktor, fiquei realmente triste com essa notícia, mas é bastante compreensível que todos estes motivos que você mencionou tenham pesado em sua decisão. Infelizmente o futuro chegou, meu caro, e não foi da forma como idealizamos. Pensei que a tecnologia atual fosse casar com boas histórias e nos render muitos clássicos, com realismo e inovações relevantes. Infelizmente, salvo raras exceções, não foi o que vimos. E quanto ao público…ahh o público…..quando falamos em pessoas, desgraçadamente nos referimos a um ser educado para cada nove ignorantes, mal-educados, desinformados e levados pela onda de selvageria (sim, há selvageria em muitos pequenos atos, especialmente na internet) e falta de senso. Vejo como amigo cada pessoa que tenha, de alguma forma, participado da minha vida. Minha rotina na horinha do dia em que visito a internet é digitar T e aparecer na barra de endereço o site “Terrorama”, para me atualizar e me ajudar na triagem do joio e do trigo em matéria de terror. Isso é minha rotina, meu dia-a-dia…é parte da minha vida. Por essas razões, meu amigo, posso dizer que, independente de qualquer coisa, este site é parte da minha vida, e sempre será lembrado. Ficarei na torcida para que, após tudo isso, com a mente descansada e cheio de tempo, vc tenha saco para voltar a nos entreter e despejar as mais quentes informações desse universo tão restrito e amado que é o terror.Grande abraço!

  • Roger1910

    Que semana triste, cara! Primeiro, o encerramento de quatro salas de cinema em minha cidade, num shopping à beira da falência. Salas que tinham uma programação bacana e diferenciada, que procurava fugir da farofada das programações de outros cinemas. Agora, esse site que muito admiro – nem imaginava que era tocado por uma só pessoa! Que trabalho bacana e hercúleo, hein! Tem uns sites tão bobos por aí que recebem publicidade, investimentos. E ninguém desses setores olhou pro Terrorama. Uma pena, mesmo.

  • Matt Machado

    NÃO POSSO ACREDITAR NO QUE ACABEI DE LER. O SITE É MUITO FODA. INFELIZMENTE ESTAMOS PERDENDO MAIS UM GRANDE SITE COM POTENCIAL EM QUE MUITOS POR AI NÃO TEM. TRISTE.. REALMENTE TRISTE….. 🙁

  • Guilherme Alves

    Triste isso, eu gostava muito do site, vai fazer falta.

  • David Alef

    Poxa, conheci o site a uns 5 meses e fiquei pasmo com a qualidade, com o número de informações e dedicação do mesmo, tendo dito isso, me resta apenas lamentar. Notícia muito triste!
    Mas acredito, com um olhar superficial que você esta certo, as vezes precisamos nos desfazer de coisas que já nos fizeram bem um dia. Nao é fácil, mas é por um bem maior. Seja feliz Viktor Von Terrorama