O melhor dos gêneros de horror, suspense, ficção e fantasia

5 Coisas Que Você Não Sabia Sobre ‘Os Fantasmas Se Divertem’

Os Fantasmas se Divertem quase foi um filme bem diferente do que chegou aos cinemas.

0 43

Besouro Suco! Besouro Suco! Besouro Suco!

No dia 30 de Março de 1988 o mundo teve a oportunidade de conhecer um dos personagens mais inesquecíveis de todos os tempos. O ex-frequentador da Julliard, formado em Harvard e testemunha da super divertida Peste Negra, Beetlejuice, ridiculamente traduzido para Besouro Suco na dublagem brasileira, fazia a sua estreia nos cinemas norte-americanos depois de uma premiére exclusiva em Nova York realizada um dia antes.

O filme dirigido por Tim Burton conta a história de um casal do interior, os Maitlands, que morre em um acidente de carro, deixando seus espíritos presos em nosso plano. Mas logo eles descobrem que uma nova família está se mudando para a sua casa. Bem… Mudando não é exatamente a palavra, já que na verdade os novos moradores, os Deetz, estão praticamente jogando seu antigo lar no chão e eles tentam de todas as formas impedi-los e invocam o bio-exorcista Beetlejuice para ajudá-los a por os Deetz para fora.

Mas para surpresa geral da nação, Lydia (Winona Ryder), a filha do casal, é capaz de ver e se comunicar com os Maitlands e desenvolve uma afinidade com o casal. Mas já é tarde demais. Beetlejuice está fora de controle e completamente determinado a atingir seus próprios objetivos.

Com personagens incríveis, um visual insano e uma história pra lá de cativante, Beetlejuice imediatamente se tornou um fenômeno mundial e até hoje é considerado um dos melhores trabalhos de Burton. Porém a história nem sempre foi assim e muitos não sabem que Os Fantasmas se Divertem quase foi um filme bem diferente do que chegou aos cinemas.

Portanto, aqui estão alguns fatos que talvez você não saiba sobre essa maravilha.

1. Beetlejuice Originalmente Era Um Filme de Terror Violento

Beetlejuice definitivamente é uma comédia de terror, mas o roteiro original previa um filme de terror tão sinistro e violento que chega a ser difícil imaginar como uma coisa levou a outra.

O roteiro original de Michael McDowell e Larry Wilson era muito mais gráfico e isso fica evidente logo no começo, quando descreve o acidente de carro em que os Maitlands perdem a vida. O script é bem intenso e conta com detalhes como o braço da personagem de Geena Davis é esmagado.

Nesta versão do roteiro, Beetlejuice, ou Betelgeuse, é descrito como um demônio reptiliano alado que supostamente poderia assumir várias formas, dentre elas a de homenzinho do Oriente Médio – algo que por si só já seria condenado nos politicamente corretos dias atuais – Mas no original, Beetlejuice não quer apenas expulsar os Deetz. Ele é literalmente um maníaco homicida determinado a exterminá-los. O curioso é que para isso ele assume a forma de várias pessoas que são vistas como uma ameaça pelos Deetz. No caso de Charles, por exemplo, Beetlejuice apareceria na forma de um Fiscal do Imposto de Renda, uma vez que nessa versão do roteiro Charles teria investimentos ilícitos na bolsa de valores.

Um fator importante é que a trama originalmente gira em torno de Cathy, uma filha mais nova da família que foi completamente excluída da versão definitiva. A caçula é a única capaz de se comunicar e de interagir com os Maitlands, transformando Lydia apenas em uma personagem secundária e um alvo para Beetlejuice, que aparece para ela na forma de uma estrela do Rock que – vejam vocês – tenta estuprar a moça. A cena é bem pesada e na versão definitiva acabou sendo substituída pela clássica cena do casamento.

O final original também é bem diferente. Betelgeuse é destruído depois de um exorcismo e a casa dos Maitlands encolhe até ficar de um tamanho que caiba na maquete de Adam. Em vez de habitarem pacificamente com os Deetz como na versão final, o casal se muda para a casinha, fazem uma reforma para deixá-la parecida com a que moravam enquanto eram vivos. Só que de acordo com o roteiro os Deetz voltam para New York e deixam Lydia em Connecticut para ser criada pelos Maitlands

Confesso que morro de curiosidade para ver que filme sairia do roteiro original.

2. Ninguém me ama. Ninguém me quer.

Se você pensa que Tim Burton teve vida fácil na hora de selecionar o seu elenco, pode ir tirando seu cavalinho da chuva. Muitas pessoas receberam a oferta e segundo consta, a única pessoa que aceitou participar do filme logo de cara foi a atriz Geena Davis. Muitos atores se recusaram a participar de Os Fantasmas Se Divertem. Inclusive os que estão no filme!

Catherine O’Hara, que interpreta Delia Deetz, foi uma que inicialmente recusou a oferta de Burton e o diretor acabou escalando Angelica Huston para o papel. Mas infelizmente a atriz ficou gravemente doente e incapacitada de participar do filme. Foi aí que o diretor, determinado a contar com Catherine, viajou e foi pessoalmente conversar com ela para convencê-la.

A atriz veterana Sylvia Sidney também foi uma que não queria participar do filme e recusou o convite. Mas Burton queria muito contar com a atriz e insistiu tanto que ela acabou aceitando.

Porém o papel mais complicado foi o de Lydia. A personagem foi oferecida a Lori Loughlin, Diane Lane, Sarah Jessica Parker, Brooke Shields, Justine Bateman, Molly Ringwald e Jennifer Connelly e todas elas recusaram o papel. Juliette Lewis chegou a fazer testes para a personagem, mas no final a produção ficou entre Alyssa Milano e Winona Ryder, que na época tinha 17 anos e que também recusou o convite pelo menos uma vez.

Já no caso de Michael Keaton as informações são contraditórias. Alguns dizem que, assim como Catherine O’Hara, o ator recusou o papel e também teve que ser convencido pessoalmente por Burton, enquanto outros dizem que ele aceitou imediatamente. E isso nos leva ao nosso próximo tópico…

3. Michael Keaton é O Cara! Mas Quase não foi…

Hoje é praticamente impossível imaginar Beetlejuice sem Michael Keaton. Mas ele não era a primeira escolha de Tim Burton.

Como vimos, inicialmente Betelgeuse era descrito como um homem do oriente médio e depois de algumas mexidas no roteiro, ele acabou ganhando características afro-americanas e para o papel do bio-exorcista o diretor queria um de seus artistas favoritos: o versátil Sammy Davis Jr. que na época estava com 63 anos. A ideia não agradou muito os executivos do estúdio e com o tempo, após mais mexidas no roteiro, Betelgeuse acabou mudando bastante e até Dudley Moore chegou a ser considerado para o papel.

Foi aí que entrou em cena o produtor David Geffen que sugeriu o nome de Michael Keaton a Burton que – segundo dizem – não aceitou logo de cara e Geffen entrou em contato com o agente do ator, pedindo para que ele o convencesse a se encontrar com Burton.

De acordo com o próprio ator, Tim Burton descreveu Betelgeuse como “tendo vivido em cada período de tempo, mas sem um período de tempo“. Keaton usou isso como o ponto de partida para criar o personagem com um penteado arrepiado, mofo no rosto e dentes grandes. Ele disse que quando apareceu caracterizado pela primeira vez no set a equipe estava cantando, “Juice. Juice. Juice” e isso o animou a fazer várias improvisações durante as filmagens. Entretanto Keaton revelou que se inspirou em Chop Top de O Massacre da Serra Elétrica 2. Dá pra notar a semelhança, não dá?

Anos mais tarde Keaton confessou que Os Fantasmas Se Divertem é seu filme favorito.

4. Cagado de Medo

Beetlejuice é uma variante divertida do nome original do personagem que se chama Betelgeuse, assim batizado em homenagem a estrela vermelha e brilhante da constelação de Orion. Mas quando Tim Burton sugeriu que este fosse o título do filme, os executivos do estúdio não gostaram. Para eles o filme deveria se chamar House Ghosts (Fantasmas de Casa). Achando o título ridículo, Burton ironicamente sugeriu que em vez de House Ghosts, o filme se chamasse Scared Sheetless, que em uma tradução livre seria algo como Assustado Sem Lençol, mas que na verdade faz uma brincadeira com a expressão “scared shitless“, que basicamente significa “cagado de medo“. Para assombro de Burton, os executivos do estúdio gostaram do título e chegaram a considerá-lo.

Cagado de medo fico eu de imaginar como esse filme se chamaria por aqui se esse título passasse.

5. Uma Sequência Em Ritmo de Hula Hula.

Depois que Os Fantasmas Se Divertem se transformou num sucesso, é claro que o estúdio ia querer uma sequência e não demorou muito para que os executivos começassem a atazanar a paciência de Burton para que ele desenvolvesse uma continuação para o filme de 88.

Burton então parou, pensou e teve a seguinte ideia: “Que tal se levássemos Beetlejuice para o Hawaii?!

Não! Não é mentira! O estúdio comprou a ideia de Burton e anunciou que a sequência supostamente intitulada Beetlejuice Goes Hawaiian seria lançada em 1990. O roteirista Jonathan Gems foi contratado para escrever a história, que mais tarde receberia um tratamento de Daniel Waters, na qual os Deetz se mudam para o Hawaii para construir um resort. As obras começam e tudo vai bem até que a família descobre que o hotel foi construído em cima de um antigo cemitério. É nessa hora que Beetlejuice entra em cena para salvar o dia.

Gems contou que: “Tim pensou que seria engraçado combinar o cenário de surf de um filme de praia com algum tipo de expressionismo alemão, só porque eles ficam totalmente errados juntos.

Imagina a loucura?!